Atletas da ITU também sabem pedalar

Por Alexandre Dourado

Depois do último 70.3 Califórnia, podemos dizer que atletas da ITU definitivamente sabem pedalar forte em provas sem vácuo. A prova em Oceanside foi vencida pelo alemão Jan Frodeno (já mostramos um dia de treinamento do monstro !), medalha de ouro nas olimpíadas de Pequim em 2008, vencedor de diversas etapas da ITU e do 70.3 Auckland. Andy Potts e Sebastian Kienle completaram o pódio.

Continuar lendo

Reta Final

Por Henrique Soares Ebert
Só mais sete noite e já está na hora da largada do 70.3 Brasília. O tempo de fazer o que era para ter sido feito já passou.
Agora é hora de trabalhar a cabeça, porque o corpo tem de estar descansado dia 6.

Continuar lendo

PR6

Por Henrique Ebert

A marca específica de bikes de triathlon Quintana Roo lançou hoje seu novo modelo. Obrigado pela dica Rômulo Nogueira.

A PR6 deve substituir a Ilicito como top de linha da marca. O quadro tem linhas simples, o que eu gosto. Todos os cabos são internos e, como todas as bikes mais novas, é compatível com DI2 (inclusive eu não sei onde eles colocaram a bateria desse sistema). Continuar lendo

Duelo de Titãs

Por Fernando Alvares de Sousa

Nesse final de semana (Sábado, 29/03) teremos o 70.3 de Oceanside, California, EUA. Essa prova é conhecida entre outras coisas por ter uma etapa de corrida extremamente rápida. Andy Potts ano passado ganhou a prova com inacreditáveis 1h:10min nos 21k. Esse ano ele estará na Califa com a intenção de repetir o milagre de 2013, mas teremos “alguns” concorrentes que não querem facilitar em nada para o lado dele. O startlist conta com nomes como:

Thomas Boecherer;Top 10 em Kona ano passado, Primeiro a entregar a bike no ano passado em Oceanside, correu para 1h:16min e chegou em terceiro lugar!!!!; Continuar lendo

Três Raios

Ontem falamos sobre a roda fechada. Hoje vamos trazemos a parceira dela: a tri-spoke! Depois que leu o nosso blog ontem, o Steve Hed ficou maluco e lançou logo a GT3, sucessora da roda de três raios mais famosa do mundo, a HED3. Já usei um par de trispoke e odiei. Além de pesada, não consegui embalar ela. Mas não me importei. Não importa a velocidade que estava. Eu parecia estar rápido. Porém, nas pernas certas, ela faz estragos. A combinação fechada atrás e tri-spoke na frente é vencedora. Exagero meu? Claro que não! O Henrique Siqueira, campeão do Troféu Brasil de Triathlon 2013, usou essa configuração em várias etapas do circuito para voar no ciclismo. A HED3 tinha o mesmo design desde que foi lançada na década de 1980. Porque mudar agora? Basicamente porque os atletas  vem preferindo utilizar pneus mais largos, 21mm até 25. Para isso a roda tinha de ser mais larga, a original tinha apenas 19mm.  

Então, os engenheiro da marca americana desenvolveram um aro mais largo, porém mais raso, e mantiveram o formato dos raios. Os materiais são basicamente os mesmo, porém a superfície de atrito para os freios foi melhorada para melhor desempenho em frenagens. A posição da válvula foi alterada, ou seja, adeus aos cachimbos de rodas fechadas. Um adaptador do estilo que usamos em Zipp 404 dará conta do serviço. Bem mais simples né?

O novo design da roda foi desenvolvido para ser utilizado em situações em que o vento nem seja diretamente frontal nem perpendicular. Por enquanto, ela só está disponível como roda dianteira na medida 700c. Para mim faz sentido, já que a maior parte dos que a utilizam põe logo uma Zipp fechada atrás.

Acho que o xará vai gostar da novidade. Eu vou pegar emprestado com ele e sofrer e ficar bem na foto, de novo.