3FunRace – Tri LEGAL

Percurso de Ciclismo Crédito: Wagner Araújo- MundoTri

Percurso de Ciclismo
Crédito: Wagner Araújo- MundoTri

Beleza! Janeiro está chegando ao fim e está na hora de pegar no tranco! Vou fazer uma série de posts com indicação de alguns eventos ao redor do Brasil neste primeiro semestre que podem fazer parte do seu calendário.

Para começar vamos falar sobre o 3FunRace!

Na verdade o 3FunRace não é um evento, mas um Final de Semana inteiro de provas. Ideal para os fominhas de plantão.

Tem travessia no Sábado pela manhã, corrida no sábado a tarde. No domingo a brincadeira fica séria: um Triatlo de Longa Distância (1,5km/60km/16km) pela manhã e um short (750m/40km/10km) a tarde.

O 3FunRace foi criado por atletas, para atletas, de forma a atender as necessidades de provas na região sul do país. É um evento de extra temporada, ou seja, foi idealizado para auxiliar os atletas a voltarem a ter ritmo de competição, ainda que não seja necessária uma preparação mais intensa para isso.

Canela

A cidade de Canela, no Rio Grande do Sul, foi escolhida para sediar o final de semana de competições. Isso é bom! Uma cidade com ótima infraestrutura turística e de fácil acesso. Ideal para quem quer competir e levar a família. É o mesmo local que foi disputada o triatlo Conquistadores (

O evento está sendo tão bem pensado que será oferecida premiação em dinheiro para os atletas profissionais que competirem no Triatlo Longo, enquanto haverá troféus e brindes para os primeiros colocados das outras modalidades.

Vou ver se tenho milhas para ir.

Programação:

O event será composto de:
Travessia Natação – 1000m e 2500m – Sábado pela manhã
Corrida – 16km (revezamentos) – Sábado a tarde
Triathlon Longo – 1500m/60km/16km e Triathlon short – 750m/20km/5km – Domingo pela manhã

Visite a página da 3FunRace para mais informações

Power!

BMC tm01 Uplace-BMC Triathlon Team

Por Henrique Ebert

Fotos de Jay Prasuhn  retiradas nesse link do site lavamagazine.com.

Os medidores de potência estão cada vez mais populares entre os ciclistas e triatletas. Não só entre os profissionais, mas entre nós amadores também.Até pouco tempo atrás tínhamos poucas opções.

PowerTap e SRM vieram primeiro. Logo depois veio a Qarq (SRAM) e Rotor. Atualmente temos várias opções: Pioneer (isso, àquela mesma marca do som do seu carro – que provavelmente foi roubado), Stages, Garmin Vector, 4iiii (esse é o mais novo deles e, junto com o Stages, o mais barato).

Ao que tudo indica tem um grupo  japonês que está querendo entrar na brincadeira. O que é bom. A concorrência faz com que os produtos melhorem e os preços abaixem (pelo menos na teoria é assim).

O grupo em questão é a Shimano (sério?!). O pessoal da Lavamagazine.com percebeu um equipamento diferente no pedivela do triatleta belga da equipe Uplace-BMC Triathlon Team (que tem como fornecedor de componentes a própria Shimano) durante o trainning camp nas Ilhas Canárias.

Shimanho Powermeter

Shimanho Powermeter

O pessoal da Lava ainda questionou o mecânico que trabalhava na bicicleta do atleta belga. O máximo que conseguiram foi um sorriso e uma declaração mais ou menos assim: “Não posso dizer nada, mas e fácil saber do que se trata se você conhece alguma coisa sobre as ferramentas que algumas marcas usam.”

Shimano powermeter non drive

Shimano powermeter non drive

Não foram dados maiores detalhes sobre o equipamento, mas parece que ele vai medir a potência gerada por cada perna, utilizando um segundo “pod” para o braço esquerdo do pedivela.

Agora eu entendo porque os pedivelas da Shimano ficaram com esse formato estranho.

Medir e acompanhar – retorno

image2

image2

Por Henrique Ebert

Ano passado falamos aqui sobre um certo aparelho que estava em fase final de desenvolvimento, o BSX insight: um medidor de limiar de lactato em tempo real.

Na época (abril de 2014) eles estavam buscando investidores para bancar sua linha de produção. O caminho escolhido foi o crowdfunding, ou financiamento coletivo. Parece que deu certo.

Os aparelhos já estão disponíveis para pré-venda, através do site deles. O preço vai de 300 até 420 Obamas. E estão disponíveis três modelos, Corrida, Ciclismo e Multsport. A precisão, conforme dito em abril do ano passado, é de 95% com relação ao teste tradicional.

image1

image1

Não consegui informações oficiais sobre as datas de entrega, mas li na internet que já tem gente esperando receber em duas semanas (o pessoal que ajudou a bancar a produção teve prioridade).

O Flecha me disse que vai comprar um, mas não sei se eles têm o modelo para crianças…

No Selfie please!

NO SELFIE PLEASE

Charge Roubartilhada do Facebook do meu amigo ZÉEÉÉEÉÉ

Por Henrique Soares Ebert

No primeiro sábado do ano resolvi ir para o posto Pedrão com três amigos. No meio do caminho, em uma descida resolvi filmar o “visú”. Era pouco depois de 7 da manhã e não tinha nenhum carro na estrada. Assim, com essa falsa sensação de segurança, peguei meu celular e filmei (essa não foi a primeira vez que filmei ou fotografei pedalando, mas foi a última – espero).

Depois de postar o vídeo no Instagram (compartilhando no meu Facebook) um amigo, o Paulo Sérgio me deu um puxão de orelha. Não vou mentir, fiquei um pouco incomodado na hora por isso. Não gosto de ser chamado atenção (mesmo estando redondamente enganado). Peguei uma foto antiga dele na bike e postei em resposta a chamada de atenção, realizando uma das ações mais brasileiras de todas: justificar um erro com outro.

Claramente, ele estava correto. A desatenção causada pela necessidade de postar uma foto, tirar uma selfie, fazer um vídeo ao pedalar vai fazer você cair. Sendo que quedas no ciclismo geralmente são coisas bem desagradáveis.

Os três parágrafos acima foram rascunhados ontem. Ainda não tinha elaborado o final do texto. Eis que hoje, durante meu treino de ciclismo no parque da cidade, uma colega triatleta, envolta na mesma falsa sensação de segurança que descrevi no inicio do texto, tentou tirar uma foto dela junto do grupo no qual estava e acabou caindo. Coitada, se machucou um bocado. Espero que se recupere logo e volte logo aos treinos. Esse exemplo vem para reforçar que precisamos de toda atenção quando em cima de uma bicicleta.

Todos os dias vejo várias de fotos tiradas por triatletas e ciclistas em cima de suas bikes. Não vou sair chamando atenção de ninguém, mas, por favor, tenham mais atenção em cima da magrela.

Papo de Samurais

blog

Por: Fernando Flecha

Certo dia um samurai do Triathlon chamado Simon Whitfield foi singelamente convidado para visitar a casa de outro humilde samurai chamado Alistair Brownlee. Bem resumidamente posso dizer q temos 3 medalhas olímpicas nesse encontro sendo duas de ouro e uma de prata. Se for pensar que só houveram 4 aparições olímpicas do triathlon e 12 medalhas disputadas até hoje, CREDO…..enfim

Quando Simon chegou em Yorkshire (isso me lembra Senhor dos Anéis) que é o condado onde moram os irmãos Brownlee ele percebeu o porque dos irmão serem tão FODAS no que fazem. o lugar é bastante , como posso dizer, não tradicional para se treinar. Morro para todo lado, frio de lascar ( Simon é Canadense, CREDO), vento etc. E logo após se encontrarem para dar um trote (a segunda corrida do dia para o Alistair), ele pararam para se hidratar e Simon perguntou educadamente:

Um dia você se imagina parando de treinar?

Alistair respondeu de bate pronto:

TÁ DOIDÃO SIMON? ( na verdade ele disse STOP????) mas tenho certeza que acertei na minha tradução.

– Eu amo treinar. Eu amo poder estar por aí correndo nadando ou pedalando e me testando a cada dia. E ele disse isso com a boca roxa de frio. Boca na qual ele compara com a de um bêbado idiota, de tão roxa que estava.

Palavra do treinador dos irmãos metralha: ” Esses garotos gostam tanto de chegar no seu limite que as vezes chega a ser perigoso, mas dentro deles eu sei que eles querer realmente chegar em um lugar chamado limite e realmente ver como é esse lugar.”

Simon voltou para casa com duas conclusões:

1) Agradecido ao Senhor Deus por não estar mais competindo e por isso não ter que enfrentar esses idiotas bêbados da boca roxa.

2)Ele realmente acredita que o que faz deles campeões é o fato deles terem adquirido a coragem de ACREDITAR que é possível fazer o que eles fazem (e quem sabe fazer ainda melhor) e amar o que fazem.

Para finalizar, eu deixo uma frase na qual o pai do Simon pendurou em um quadro no quarto dele desde que ele começou a participar de competições ainda pequeno.

” Os Quenianos acreditam que vão ganhar uma corrida com a mesma certeza de que o sol vai raiar no próximo dia”. Acreditar pode ser a chave de tudo.

Vem ni mim 2015