Impensável Impossível POSSÍVEL

Eliud Kipchoge fechando os 42km em 02:00:25 – cred: Nike

Por Henrique Soares Ebert

Há uns anos pensar em percorrer 42k em 2 horas era um feito que ninguém nem pensava em realizar.

Conforme as metodologias de treinamento, nutrição e medicina esportiva evoluiram, bem como a tecnologia dos materiais esportivos, os tempos começaram a cair ao ponto de conceberem a marca das 2 horas como impossível.
Continuar lendo

Anúncios

OEM: minha opinião parte 2

Por Henrique Ebert

Originale e cópia

Há três anos escrevi esse texto sobre OEM. Como faz um ano e meio que não tocava esse blog, vi que tinham alguns comentários que mereciam resposta, uma vez que o pessoal perdeu seu tempo para nos questionar sobre o assunto. Fora que foram muito pertinentes.

Um produto OEM NÃO É UM PRODUTO FALSIFICADO!

Mais ou menos!

Vejamos.

Continuar lendo

Bolão Ironman World Championship

ironman world cahmpionship 2015

Por Henrique Soares Ebert

Um dia desses, eu disse no Facebook que a semana que antecede o Ironman Floripa quando não se está inscrito parece Natal sem presente.

As semanas que antecedem a Kona quando se tinha a vaga é pior ainda. Parece que você ganhou o presente e aí o Papai Noel resolve do nada que você não se comportou no ano e toma sua bicicleta.

Deixando o MIMIMI de lado…

Vamos promover um bolão já que dia 10 será disputado o Ironman World Championship na Big Island.Eu imagino uma disputa épica tanto no masculino quanto no feminino. Então a brincadeira será legal. Explico:

Ivan Rana

Ivan Rana (AP Photo/Chris Stewart)

O papa léguas

Ivan Raña: é um nome que não pode ser descartado. Sua corrida o faz ganhar muitas posições ao final da prova. Entretanto, se ele não tiver melhorado na bike talvez nem um top 10 ele consiga este ano.

Marino Vanhoenacker

Marino Vanhoenacker

O sem palavra

Marino Vanhoenacker: o belga campeão do Ironman Brasil 2015 prometeu no ano passado de pé junto que nunca voltaria a competir no mundial. Parece que a palavra dele não vale muita coisa. Contudo, o belga de 39 anos terceiro colocado em 2010 tem ainda alguns truques na manga.

Tim Don

Tim Don

O Seu Madruga

O Tim Don voou no primeiro semestre, mas depois de uma queda o deixou fora da batalha na Áustria e o fez perder um importante período de preparação para Kona. Isso pode pesar contra ele. Mas, para mim, pode acabar ajudando: penso que um revés pode fazer com que o atleta cresça mentalmente. Por isso, o considero como um importante candidato. Entretanto, acho que ele corre por fora.

Andy Potts

Andy Potts

O Nadador

Andy Potts: o americano campeão do Pan 2007 e do mundial de Ironmnan 70.3 é sempre menosprezado na Big Island. Seu retrospecto, porém, é bem consistente. Dono de uma natação e corrida fortes, ele não fica para trás no ciclismo como o Raña, por isso espero dele mais um top 5, como no ano passado.

Frederik Van Lierde

Frederik Van Lierde

O Burocrata

Marino Vanhoenacker: o belga vencedor de 2013, terceiro em 2012, e 8 no ano passado nunca pode ser deixado de lado. Ele tem um estilo que não desperta muita atenção, mas é muito eficiente. Para falar a verdade, acho que ele só vence a prova se o pessoal abaixo quiser mostrar quem é mais foda no início do dia. Porém um top 5, ou 3 dele é bem provável.

Jan Frodeno

Jan Frodeno

O Foda

O Jan Frodeno ganhou tudo que tinha de importante para ganhar esse ano, notadamente o Ironman Frankfurt e o Mundial de 70.3 na Áustria. E nem adianta dizer que Kona é quente e que essas provas europeias foram disputadas em clima temperado. O cara foi terceiro lugar no ano passado na Big Island (para quem não se lembra). Ele vem com tudo.

Sebastian kienle

Sebastian kienle

O Rei (?)

O Tião Kienle é forte. O Ironman em Kona é uma prova que se encaixa no estilo dele: sair de trás na água, martelar no pedal e manter um passo forte na corrida. O retrospecto dele no Hawaii é muito bom. Mas, mais importante, ele não quer entregar a sua coroa. Fora que ele vem circulando numa Mercedes Classe V com o decalque que diz “Rei de Kona” (como o @hailesincero disse, meio pretensioso para quem só levou uma coroa lá), então, ele vai precisar fazer jus ao que está dizendo. Mas, será que a vontade de manter a realeza vai ser suficiente?

Mercedes Classe V KING OF KONA

Mercedes Classe V KING OF KONA

 Igor Amorelli KonaManocchio

Os brasileiros:

Minha torcida pelo Igor e pelo Manocchio é grande. O Guilherme acabou de vencer o Ironman Copenhagen, então vem com a moral lá em cima. O Amorelli vem para seu terceiro Mundial em Kona. Em um dia bom ambos podem conseguir um top 15, ou top 10.

Espero que eles tenham a mesma atitude que o Igor teve no ano passado, mesmo que não tenha rendido uma posição boa como em 2013, lhe deu muita exposição durante a transmissão da prova do ano passado.

Amanhã ou depois traga meus palpites para a prova feminina e declararei aberta a jogatina. Com as regras de como vai funcionar nosso bolão. Só adianto que o prêmio deste ano é igual ao do ano passado: nada!

Conatri

 

Conatri

Por Henrique Soares Ebert

O propósito do BSBR é ajudar a divulgar o triatlo e estimular sua prática. Nós, Alexandre Dourado, Fernando Sousa e eu, Henrique Ebert (Respectivamente Riberator, Flecha e Uruca), somos apaixonados por esse esporte.

Por isso, fiquei muito lisonjeado em ser convidado para participar do Primeiro  Congresso Nacional de Triathlon, o CONATRI.

O CONATRI será realizado on-line entre os dias 21 e 27 de setembro e é totalmente grátis, para participar basta fazer sua inscrição através do site WWW.CONATRI.COM.

Minha palestra será na quinta feira, dia 24 de setembro, as 9 horas da manhã. Nela,vou compartilhar um pouco da minha experiência em provas de Ironman. Espero que gostem.

A programação oficial, que conta com muita gente boa, meus amigos, Guilherme Gonçalves, Willian Bonder, Fernando Carvalho e Cid Barbosa são algumas das feras que irão compartilhar seus conhecimentos. Além deles, os tops Santiago Ascenço, Rafael  Farnezi e Carla Moreno estão confirmados.

Corram, pois as inscrições além de gratuitas são limitadas.

TRI > Ironman

Metonímia: figura de linguagem baseada no uso de um nome no lugar de outro. Isso acontece quando uma marca é tão forte que acaba virando o nome de todos os outros produtos. Gillette e Cotonete são exemplos disso. Quer outro (calma, não é aula de português)? Ironman (agora Ailonmein?)!

MDOT

Por Henrique Soares Ebert

O Ribeiro conta uma história de um cara que chegou em uma assessoria aqui de Brasília dizendo que queria fazer Ironman. O Ribeiro retrucou, dizendo: “fazer triathlon, é o que você quer fazer, não?”. A resposta foi simples: “Não. Quero ser Ironman.”

A história é real! Para mim, até um pouco triste.

Eu apoio a todos que se inscrevem e se preparam para um Ironman na vida e pronto. Terminam a prova, tatuam o MDOT e depois nunca mais pegam na bicicleta, desaprendem a nadar e pronto. Acho que é uma experiência transformadora e que você vai relembrar para a vida inteira.

Continuar lendo

Luz Amarela

Luz amarela

Por Henrique Soares Ebert

Os Resultados dos triatletas brasileiros no Pan de Toronto acenderam a luz amarela no nosso esporte. Conforme o Rômulo Nogueira bem lembrou no blog dele, essa foi a primeira vez que saímos deste evento sem medalhas desde que o triathlon foi inserido no programa Panamericano em 1996 (quando o Leandro Macedo foi ouro em Mar del Plata).

A expectativa por resultados mais expressivos no Pan no ano que antecede aos jogos olímpicos que serão realizados no Rio é natural. Ainda mais se levarmos em consideração o volume de dinheiro que a CBTRi recebeu (e gastou) nos últimos anos.  O evento teste no começo de agosto reforçou o recado: precisamos mudar nossa mentalidade para voltarmos a ser uma força no esporte (olha como éramos fortes em 1996).

Continuar lendo

Evento teste Rio 2016

Todo mundo empolgado com o evento teste do Triatlo no Rio este domingo, certo?

Projeção das instalações para as provas do Triatlo nas Olimpíadas

Projeção das instalações para as provas do Triatlo nas Olimpíadas

Por Henrique Ebert

Mais ou menos, mais ou menos!

O grande treinador Brett Sutton explica que este evento, apesar de importante, não é um negócio bom assim para os atletas.

Claro, o evento vale muitos pontos para os atletas se classificarem para as Olimpíadas do ano que vem. Mas é só isso.

Dinheiro? Não. De acordo com Brett, a ITU e a CBTri não conseguiram levantar fundos (não conseguiram patrocinadores) para pagar a premiação.

Beleza, mas os atletas terão uma ótima exposição.Afinal, todo mundo quer ver os alguns dos melhores triatletas do mundo competindo na Cidade Maravilhosa. Claro todo mundo quer, mas não terá transmissão ao vivo pela televisão – nem Band ( que transmite provas do WTS),  nem Globo (que passa jogo da 5º divisão do campeonato candango mirim de futebol), nem Sportv (que passa a reprise do jogo da 5º divisão do campeonato candango mirim de futebol) – nem mesmo pela internet através do triatlhon live.

Como consolação, você poderá acompanhar o livetiming pelo triathlon.org/live e, provavelmente, as contas do twitter do Mundo Tri e da TriSport nos trarão belas imagens. Mas, não é esse o tipo de exposição que os patrocinadores dos atletas querem.

Risco de lesão (de assalto também), muito dinheiro gasto para vir e ficar no Brasil sem o devido retorno financeiro. Beleza, não podemos fazer tudo por dinheiro. P@#$!@! Esse é o ganha pão deles. É assim que pagam suas contas, sustentam suas famílias, guardam dinheiro para a aposentadoria.

Bem, como estou muito longe de tudo isso (a sede da ITU fica na Suíça, a da CBTri no Espirito Santo), e nossa mídia tem pouco alcance, gostaria que alguém me confirmasse ou corrigisse essas informações (que não haverá pagamento de premiação – quanto a transmissão eu sei que não haverá).

É triste ler que é difícil (nesse caso impossível) arrumar patrocinador para um evento destes, ainda mais num esporte que já levou milhares de pessoas às ruas do Rio e Niterói para ver gente como Fernanda Keller, Armando Barcellos, Carlos Dolabela, Virgílio de Castilho (isso só para falar de alguns que lembro de pronto) e num país onde as vagas para o um de seus Ironman se esgotam no mesmo dia, mesmo com os atletas tendo que pagar mais de R$3.000,00.

Sinceramente, confirmando essa informação, acho que fica evidente que a CBTri não está cumprindo aquela que deveria ser sua principal missão: promover o Triatlo no Brasil.